Sábado, 21 de Julho de 2012

Para ti, meu amor

Vim escrever-te. A nossa história, os sorrisos partilhados, as desavenças, os mimos, a nossa força, a nossa união, o que nos transformava em um só. Não sei se o farei como uma carta porque tão pouco sei se o que partilhámos foi amor por isso será que denominarei isto de carta de amor? Queria lembrar-te de quando os nossos olhares se cruzaram pela primeira vez e prometeram que não se iriam descolar para sempre. Resta saber se o tal "para sempre" acaba, se as promessas acabam, se o amor acaba, se o "nós" quando se transforma em "eu" se acaba. Realmente gostava mesmo de poder chamar a isto amor. Mas eu já não sei. Se é meu, se é teu... se é nosso; talvez simplesmente não seja.

Foi?

É?

música: Impossible - Shontelle(covers)
tags: ,
publicado por Catherine às 15:34
link | comentar | ver comentários (10) | favorito
Quinta-feira, 19 de Julho de 2012

A Vida

Eu costumava pensar como era isto da vida. Questionar o porquê das coisas, pois como diz um grande senhor "Uma vida questionada não merece ser vivida" e eu questionava até esse pequeno pedaço de poucas palavras que faziam todo o sentido. Mas depois deixei-me disso. Não sei se foi porque cresci. Costumava correr alegremente nos campos, sentindo-me completamente livre e feliz. Mas depois, não como uma criança normal perguntava-me como se fosse eu que obtinha todas as respostas possíveis, porque mexiam as flores com o vento de uma forma tão perfeita; porque eram as flores perfeitamente feitas como tudo o resto. Isto remete-me agora a duas coisas distintas: a ciência e a fé. Acreditar por acreditar que Deus fez isto por nós, que o mundo era sufcientemente secante para não ter uma coisa especial e então Ele nasceu para fazer algo de bom por todos nós. Depois a ciência, um método procidimental e credível para todos o que não acreditam sem ver primeiro. Afinal, o que é isto? Como tudo aconteceu? A vida veio para ficar?

 

 

AVISO: Este post apresenta conteúdo religioso. Peço-te, desde já, que se tens algum problema com este tipo de questão, não o leias. Apesar de respeitar a vossa opinião, este é o meu blog e, como estamos todos esclarecidos sobre a raíz dos mesmos, eu posto o que eu quero e o que eu gosto assim como cada pessoa que tem o seu próprio canto.

O que escrevi não ofende ninguém, são as minhas livres opiniões. Não quero parecer arrogante, mas fica já avisado.

publicado por Catherine às 08:34
link | comentar | ver comentários (6) | favorito

(+) tralhas

info

tags

tumblr

instagram

sem teias de aranha (ainda)

...

Montes e vales de emoções

Quando era criança eu son...

Para ti, meu amor

A Vida