Segunda-feira, 27 de Agosto de 2012

Querido avô

Querido avô,


Sim, no meu coração denominas-te querido apesar de nunca ter tido oportunidade de te o dizer. Afinal, apenas te sorri por alinhares comigo nas brincadeiras, por fazeres de mim uma criança feliz. Pena não teres visto transformar os meus problemas cujas decisão eram escolher com que brincar em crises de rapariga adolescente que os meus pais ainda suportam. De não me teres visto transformar-me num ser graúdo. De não poderes aturar também os meus caprichos. Mas sabes avô, para além de acreditar que ainda estejas a tomar conta de mim, a olhar por mim e a roubar-me um sorriso de vez em quando sempre que me lembro de ti eu sei que precisava de ti ao meu lado. Partilhaste gelados e doces comigo e agora queria que partilhasses os segredos, a sabedoria da tua existência para uma miúda poder crescer e tornar-se alguém na vida. 


Eu às vezes sento-me e penso que para a vida levar pessoas tão boas de perto dos que ama, alguma razão boa há-de ter para consiliar os sorrisos proporcionados. Mas penso que tudo o que tive de bom acabou, que o que me fez feliz acabou e então o que me faz feliz agora, o que já são apenas recordações, também acaba? Nada se apaga de um coração de uma menina refilona mas também sensível, apenas tímida para o mostrar; o querer mostrar ser forte para mais rapidamente secar as lágrimas que por escape lhe escorrem na face. Apenas precisava de ti.


As palavras são-me cada vez mais escassas mas sinto necessidade de as soltar para que possam correr livremente para ti.

Vesti agora o vestido que mais agrada a minha mãe no seu dia especial este ano. Ela aparenta estar feliz agora que trouxe a tua querida mulher para passar o dia nos seus braços, para passar o dia ao lado de mais uma que a ama, mas eu sei, que algures os seus olhos mostram dor por seres menos uma pessoa amada na vida dela. Eu sei, ela sabe, todos sabemos que podias estar aqui... até tu sabes. Nós queríamos, desejávamos.


Amamos-te muito meu querido avô e pai que também és!


sinto-me: (in) feliz pode ser os dois
tags:
publicado por Catherine às 15:09
link | comentar | favorito
10 comentários:
De Ni a 27 de Agosto de 2012 às 17:04
Não sei o que te dizer, porque não há palavras que possam ajudar muito. A única coisa que posso dizer é que já passei por isso e mandar-te muitos beijinhos <3

:)
De Ni a 27 de Agosto de 2012 às 17:45
Não tens nada que agradecer querida :)

É realmente uma história complicada :s Mas agora o melhor a fazer talvez seja olhar para a frente e pensar que o teu avô está num sítio maravilhoso e que um dia vais vê-lo de novo :')

Já apaguei o comentário, fica descansada, kisses enormes*
De Emy a 29 de Agosto de 2012 às 15:04
adorei :')
De marlene cerm a 29 de Agosto de 2012 às 17:12
também pouco tempo passei com os meus avós.
muita força, cherrie. :)
e obrigada por me seguires, tentarei seguir-te o máximo que puder! :)
De marlene cerm a 29 de Agosto de 2012 às 23:35
oh, obrigada! :D
De marlene cerm a 30 de Agosto de 2012 às 00:15
muito obrigada. :)
De Emy a 30 de Agosto de 2012 às 14:17
eu ainda tenho o meu outro avô, mas este era o mais chegado até porque vivia com ele :')
De marlene cerm a 30 de Agosto de 2012 às 17:13
oh, muito longe disso. frequentei um clube de escrita na escola, mas desisti após poucas reuniões, porque não aprendia nada novo lá e ainda tinha que compaginar com pessoas indesejadas. sou uma pessoa de ciências, se tudo correr bem ingressarei em medicina este ano. :)
e antes de cessar este comentário teço agradecimentos pelos elogios! é tão bom saber que colocam os nossos rasuros em tão alto patamar. :)
De marlene cerm a 31 de Agosto de 2012 às 19:24
bem, para a área de ciências apenas tenho a dizer que, ao contrário do que se pensa, não é um bicho de sete cabeças, mas requer trabalho, isso sim e muito. e uau, vejo que tinhas mesmo um horário tremendo! eu, pelo contrário, só tinha as horas de escola e estudo e uma ou duas por dia somente para escrever no meu quarto. (tirando, obviamente, as explicações.) na recta final dos exames, chegava a ir para a escola as nove e só voltava a casa às 21. posso perguntar qual é o teu mal na coluna? recomendaram-me natação, mas foi para os meus joelhos, nasci com defeito e após um episódio de bullying, isto agravou ao ponto de precisar de fisioterapia para poder andar sem quaisquer problemas. quanto à medicina, acho que é um patamar como tantos outros, por ser o meu sonho. o sonho de qualquer um quando alcançado pode ser considerado um elevado patamar alcançado. já agora, quais são os teus planos para o futuro? :) beijinhos.
De Maятa a 3 de Setembro de 2012 às 22:48
Olá! Nova história no meu blog! stories-of-a-lifetime.blogs.sapo.pt Espero que gostes! :) Já agora, tenho reparado que não tens comentado nos meus posts nem quiseste seguir a minha fic... se já não queres ser avisada de quando eu ponho as histórias, diz! Eu não fico triste ou ofendida, está tudo bem. Espero que respondas. :)

Comentar post

(+) tralhas

info

tags

tumblr

instagram

sem teias de aranha (ainda)

Perdi-me em ti

Update #44

Update #43

Consternação?

A adolescência